Coberto de sangue, com um cutelo cravado na cabeça, Zé entrou cambaleando na farmácia. "Tem doril?".

2 comentários:

HÉLIO SENA disse...

Golpe da propaganda! Rssss...

mural do ajosan disse...

Rsrsrss!! como sempre, ótimo, Edson. Perfeito.

Postar um comentário