A doença o definhava. Aos trinta, parou de andar. Aos quarenta, de falar. Aos cinquenta, de fumar...

3 comentários:

mural do ajosan disse...

Excelente criatividade, pois deixou o impacto (como sempre) pro final, ou seja, se ele parasse de fumar primeiro talvez nada o definhasse.

Alê Crol disse...

Bom dia!

Viva! Mas e o nosso dia? Estou sinceramente cansada do dia de tudo, menos do meu,do nosso dia...
Boa semana prá tí!
Bjs!

denipinheiro disse...

A ironia foi sensacional!!!

Postar um comentário